Angel's.

.


Você não está conectado. Conecte-se ou registre-se

[N] - Prólogo da Tarefa: Near x Yamada

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo  Mensagem [Página 1 de 1]

1 [N] - Prólogo da Tarefa: Near x Yamada em Sex Fev 24, 2017 11:56 pm

Near


Admin


┗──── • 【Interpretação/評価の解釈】


———————————————————————————————————


↪ A batalha entre as sombras do fogo /
火災の影の間の戦い


———————————————————————————————————


ㅤㅤㅤA evolução da vila oculta da folha, tanto na parte armamentista como tecnológica era de se espantar, seria a vila mais rica desde o período pós-guerra? Eu, como sétimo hokage, não me importo muito com o dinheiro, mas não posso negar que desde quando Eu e... - Meus pensamentos e memórias foram moldados à um pequeno flash back da batalha na qual selamos Kaguya e presenciei esse momento junto com Sasuke e Sakura - o número excessivo de missões propostas para nós aumentaram mais que o normal, afinal, todos os meus amigos da infância atualmente eram ninjas de alta classe, chamados Jōnin. Estes lucravam bastante com a grande quantidade de missões executadas com sucesso e sem nenhuma falha, seja ela de derivados ranks, nós da folha sempre as encaramos como um passo a mais rumo a glória, nós da nova geração sem dúvidas somos muito poderosos. O alto rendimento financeiro da vila foi-se aumentando, e atraindo a atenção dos países e vilas vizinhas, ou até mesmo de terceiros que só plantam o mal neste mundo no qual eu, meus amigos, e toda a aliança shinobi lutamos para conseguir impedir que esse maléfico sentimento se espalhe, provocando novas guerras.


ㅤㅤㅤEm mais um dia qualquer, no qual às seis horas da manhã em ponto já situava-me na sala do hokage, tratando novamente de mais pedidos de missões, eis que meu braço direito, o gênio do clã Nara, Shikamaru, adentra ao escritório e me alerta que, devido ao fato da minha fama, como tamabém a da vila ter expandido no mercado de forma deveras descomunal, o criador do vilarejo estava convidando-me para uma batalha sem fins lucrativos, apenas para um simples, porém, difícil treino, para medir se estou a altura dele, o Deus dos Shinobis.. — H-hashirama-sama quer treinar comigo? O Deus dos Shinobis em pessoa? Que Honra! — Exclamei num tom ocioso e alegra, no qual num ato simultâneo, não me contive ao meu arquejo, e levitei-me rapidamente da cadeira, derrubando-a para trás, e colidindo meu punho destro que estava cerrado na minha palma canhota de forma ociosa, emitindo um sonido forte. — Shikamaru, marque o local com o Shodaime-sama, por favor. — Vociferei para com o gênio, que logo se retirou do cômodo e foi em direção ao primeiro protetor do local no qual hoje sou o encarregado de protege-lo e cuidar, uma responsabilidade que eu sempre quis ter desde a minha intensa, dolorosa e sofrida infância, que, com o passar dos anos, eu olho para trás e vejo como tudo aquilo valeu apena para o meu crescimento, seja ele físico ou psíquico, eu de certa forma, já não era mais imaturo. Com isso, aproveitando o resto do tempo que tinha antes da batalha ser iniciada, andarilhei para um cume localizado na parte superior da vila, no qual a vista daquele local era esplêndida, a vista que sempre quis ter como hokage: a vista da minha querida, amável e adorável Konoha. As efêmeras e suaves aragens que resultava no oscilar de meu sobretudo branco, que continha em sua parte inferior uma chama de tonalidade carmesim, semelhantes ao de meu pai, diferenciando somente a cor. Ainda como resultado da brisa do vento, minhas louras madeixas, que pelo fato de serem curtas, não se remexiam muito, porém era bastante para o relaxamento espiritual que precisava, fazendo jus ao treinamento que me esperava, não seria um treinamento qualquer, tinha de me manter calmo.


ㅤㅤㅤPortanto, mantive-me sereno, com uma postura digna de um kage, apoiado com as minhas palmatórias sob uma barragem prateada que rondeava todo o recinto, em processo de aguardo à resposta de meu amigo e companheiro Nara, no qual não demorou muito, por via de uma artimanha do artista de Konoha, no qual um pequeno pássaro conjurado por recursos de tintas, ou melhor, ninpou. Instantaneamente eu percebi o recado, e abri um dos pergaminhos no qual o pássaro que se movimentara em sentido circulatório, no qual adentrou-se no pergaminho abrangido por mim, e informou-me as coordenadas do tão sonhado e esperado embate. Em processo de leitura, eu não precisei terminar, pois já sabia onde seria cravado aquele treino que pra mim, seria a batalha mais inimaginável possível, quando e como eu poderia se quer insinuar em lutar frente-a-frente com o shodai em pessoa?! Isso nunca passou pela minha cabeça, acho que era pelo fato de ter me espelhado em Sasuke. Mas, o tempo passou, eu era o hokage, não podia dar para trás. Cerrei o pergaminho, e abrangi de minha cavidade bucal um breve sorriso, que resultou na mostra de meus dentes esbranquiçados. Me retirei daquele coio, que, não era usado para esconder-me, muito pelo contrário, para fazer jus ao meu título reconhecido por mérito próprio, com minha força de vontade, a vontade do fogo herdada de geração em geração! O calcorrear resultou numa aparição súbita em meados ao pavimento, que estava totalmente diferente de quando o vi pela primeira vez. O aroma dos jasmins ainda permaneciam lá, porém, não conseguia vislumbrá-los, somente a vasta quantidade de gramíneos esverdeados, com algumas regiões de estatura elevadas, assimilando-se às ondas do mar, porém com gramas. Para minha surpresa, o desafiante já se encontrava no local, com seu traje clássico, um protótipo de armadura carmesim, onde por dentro da mesma, trajava uma veste enegrecida, semelhante à do Sandaime-sama e Uchiha Madara, com a única diferença relacionada ao gigantesco pergaminho que utilizava em suas costas, na região lombar. Eis que, a dúvida caiu sobre mim: apresentava-me, ou mostrava o por que fui escolhido como o sétimo? Num breve período de tempo, fisguei as escleróticas do opoente, e, sem delongar, mostrei à ele o motivo. Num breve selo de mão, na qual as unifiquei em modos distintas, duas brumas de fumaça emergiram-se ao meu lado, ambas em lugares opostos, uma em minha esquerda, outra em minha direita, que, com o passar dos segundos, foi mostrado minhas réplicas de mim mesmo. — Eu vou mostrar a você... a minha vontade do fogo, Hashirama-sama! — Sibilei em direção ao shodaime, que situava-se acerca de dez metros frontais de nossas corpóreas. Em silêncio, mantive-me inerte, tomei a postura ereta, assim como meus clones, que por algum motivo, desapareceram sem deixar rastros... — ... Não, eu não irei começar assim.. — Finalizei para comigo mesmo, em meus pensamentos, no qual tomaram em rumo o foco do treino: Senjū Hashirama!

#End

Ver perfil do usuário

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo  Mensagem [Página 1 de 1]

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum